Pular para conteúdo

GANHE FRETE GRÁTIS + 5% OFF NO PIX :)

Blue nude II - Contos eróticos

Histórias eróticas para mulheres livres. Se inspire e desperte a sua imaginação para sentir na intensidade que você deseja. Contos para gozar, se deleitar. Na vida, no quarto e na cama.

Ela abaixa a saia, eu lavo a boca. Voltamos à sala de recepção. No corredor, vejo a frase tatuada em seu braço. Art ain’t always polite. 

Faz calor e chove em São Paulo. Estou no décimo andar de um prédio comercial e fico cismada com a reprodução de Blue Nude II na sala da minha analista. O que ela quer dizer ao deixar ali, despretensiosamente, a criação de Matisse? A forma feminina sempre esteve presente na obra do artista francês, penso, mas, ali, traz o molde fora da cor, delineando a figura de uma mulher com o movimento de sua tesoura. O quadro conversa comigo, devaneio. Há algo que ele quer me dizer e que não entendo — ainda.  

A atmosfera muda. A porta lateral da sala de recepção se abre e surge aquela que chamo de Martina pela pura falta de coragem em perguntar seu nome verdadeiro. Toda semana, no mesmíssimo horário, ela brota. Digo brota porque é o efeito que causa sua chegada. Não há sobreaviso, mesmo que eu já saiba. Os efeitos são os mesmos toda quarta-feira: palpitação, rubor, calor. Nunca, em nenhuma das vezes, uma palavra foi trocada. Mas os olhares… 

Martina senta na cadeira à minha frente. Escolha audaciosa. Em todos os outros encontros opta por uma menos à vista. Não dessa vez. Senta na cadeira à minha frente e me olha. Direto, reto, um olhar que traduzo desafiador. Vejo um sorriso de canto de boca surgir. Estou delirando? Será que vou perder a razão? Irei enlouquecer? De desejo. 

Custo a admitir, mas é isso que sinto toda vez que Martina brota e divide comigo pelo tempo de espera aquele mesmo recinto. Agora ela descruza as pernas e volta a cruzá-las. Está de saia, mas, apesar da vontade, evito olhar a movimentação. Ela repete o gesto. É um convite para minha mirada. Dessa vez, não resisto. Ela ri. A secretária olha para nós rapidamente e volta a fazer suas coisas. Começo a sentir um calafrio estranho como se meu termostato natural estivesse quebrado. Sinto minha blusa branca empapar de suor. 

Os faróis, os meus, acendem. Ela parece não se importar em olhá-los fixamente. Fico envergonhada, mas gosto. Do nada, ela levanta. Imagino que ela dará os passos que nos separam e que irá me beijar ali mesmo, na frente da secretária e do outro ser humano que também espera ser atendido. Mas, não. Ela caminha a passos apressados no sentido do banheiro, escondido atrás da recepção, no corredor que direciona aos consultórios da ala esquerda. Antes de sumir atrás da pilastra, olha para trás e acena com a cabeça: “Vamos?”. 

Vamos? Foi isso mesmo que ela quis dizer? Será que fiz a leitura labial errada? Minha cabeça tonteia e penso não ter muito tempo. É agora ou nunca e melhor que seja já. Olho para os lados. A secretária submersa atrás de sua bancada, o paciente afundado em seu smartphone. Levanto e caminho rumo ao banheiro. Temos aproximadamente mais sete minutos antes que nossas sessões comecem. Parece pouco, mas há de ser o suficiente. Tem de ser. 

Abro a porta do banheiro afobada. Ela ri e é surpreendida com meu beijo apressado. Desço pelo pescoço, os seios, a barriga e invado o meio de suas pernas. Subo a saia e vou direto com a língua no seu sexo, por cima da calcinha. Molho de saliva, mas a verdade é que ela já está molhada. Chupo-a como se fosse fruta. Ela apoia uma de suas pernas em meu ombro. Enfio minha língua dentro de sua vagina enquanto mexo em seu clitóris. Martina abafa os gritinhos com a toalha de rosto. Empurro seu quadril com força contra meu rosto. E a vejo explodir em gozo. Afasto meu rosto lambuzado do seu corpo. Ensaiamos sentar no chão, mas não há tempo. 

Ela abaixa a saia, eu lavo a boca. Voltamos à sala de recepção. No corredor, vejo a frase tatuada em seu braço. Art ain’t always polite

Entro para a minha sessão não sem antes passar em frente à obra de Matisse. Ela, de novo, conversa comigo. Mas agora entendo. 

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Conheça o Bullet Lilit, seu (novo) primeiro vibrador.

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima