Amigos com benefícios II - Contos Eróticos

Histórias eróticas para mulheres livres. Se inspire e desperte a sua imaginação para sentir na intensidade que você deseja. Contos para gozar, se deleitar. Na vida, no quarto e na cama.

Eu e a Sam sabíamos que um relacionamento de longa distância não iria funcionar para a gente. Mas depois de termos transado de novo, nenhum de nós estava pronto para dizer adeus. Na noite que ela me amarrou, eu me senti mais livre para apimentar as coisas. Eu gostava da minha versão com ela. E eu acho que ela gosta de ser a pessoa que traz meu lado que ama uma sacanagem pra fora. Mas nós dois sabíamos que não funcionávamos como casal. E ao mesmo tempo, não estávamos prontos para parar o que quer que tivesse rolando entre a gente.


Então nós combinados o seguinte: como estava estava sempre viajando a trabalho, ficando em hotéis chiques com aqueles roupões e lençóis de 300 fios, e quando eu voltasse para São Paulo, nós nos encontrávamos por lá e aproveitávamos todo esse luxo.

Mantendo essa distância e encontrando ela só nos fins de semana significava que tínhamos uma distância natural. No começo, não falamos sobre isso. Mas nós dois sabíamos que estávamos vendo outras pessoas ao mesmo tempo - então estávamos nesse limbo do relacionamento. Algumas noite, nós só colocávamos os roupões chiques e ficávamos assistindo TV a noite toda, ao invés de transar. Sim, nós nos encontrávamos para fazer sexo. Mas tinha essa parceria entre a gente no ar, essa intimidade. Eu gostava de não saber como as coisas iam ser no futuro: mantinha o relacionamento interessante.

- É ruim que que eu estou curiosa?
- Curiosa sobre o que?
- Estou curiosa e meio que interessada em saber com que mais você está transando?
- Hmmm na verdade não é ruim não. Até me dá um certo tesão.
- Sério?
- Sim. Me toquei disso quando estava tomando banho outro dia.
- Me conta mais...
- Bom, eu fiquei pensando em você no Rio, imaginando sua vida. E então comecei a imaginar você em um encontro. E comecei a imaginar o tipo de pessoa que você estaria junto.
- E você curte isso?
- Sim... Eu deixei a imaginação me levar. Pensei na aparência dela, as coisas que vocês fariam juntos...
- Conte-me mais.
- Me fala primeiro da última pessoa que você saiu...
- Você quer saber o nome dela?
- Sim, o que você pode me falar dela?
- O nome dela é Alessandra. Alê.
- Porque você não tira esse roupão antes de falar sobre ela?

A Sam era bem assertiva no que queria. Como eu amava isso.

- Vai ser difícil me concentrar enquanto eu conto a história...
- Vamos ver até onde você vai.
- Tá. Por onde eu começo?
- Comece do começo, ué.
- Então, acho que começou na festa de aniversário do Antonio. Eu e a Alê já estávamos nos falando de antes. E aí no final da noite, fomos ali pro bar e aconteceu. Ela é bem atraente, inteligente e alta. Tem umas pernas maravilhosas. Em uma outra noite, nós começamos a brincar de verdade ou consequência de zoação.
- Deixa eu adivinhar, só rolou consequência?
- Haha, não. Eu sou um cara que curte falar verdade. A gente não se conhecia muito, mas eu amava como ela era direta. Ela começou a me perguntar o que eu curtia na cama, o que ela queria que eu fizesse. E o tempo todo, minhas mãos estavam nas coxas dela por debaixo da mesa. Ela é o tipo de pessoa que gosta de tomar conta da situação, sabe? E acho que eu era a situação. Eu falei que gostava de ser submisso. Ela queria me surpreender, mas mantivemos algumas regras base, tipo palavra de segurança. Nós estávamos subindo as escadas e o que foi mais delicioso foi a antecipação. Como ela iria me tocar. Quando estávamos na porta, ela me agarrou e me beijou. Eu lembro até hoje o perfume dela cítrico. "Uma vez que nós entrarmos, você vai ter que fazer udo que eu pedir" ela disse. Cara, como eu fiquei duro. Ela notou logo e abriu a porta...
- Continua...

Contei para ela como Alê tinha fechado a porta e ligado a luzinha na cabeceira. Mesmo na penumbra, conseguia ver a curva dos seus quadris.

- Ela pediu para tirar a minha roupa e permanecer ali deitado na cama que ela já iria voltar. Quando ela voltou, ela sentou na beirada da cama e passou a mão na minha virilha até minha boca, passando o dedo entre meus lábios e molhando com saliva. Ela subiu em cima de mim e colocou as mãos no meu pescoço, apertando. Levantei meus braços na cabeceira da cama senti algo me prender. Como ela era rápida. Ela começou a lamber meu pescoço e foi descendo, passou pelos meus mamilos até chegar no meu pau. Ela chupava com vontade, lambendo a cabeça até chegar base, sem parar de me olhar.
- Puta que pariu, tô ficando excitada. Quero que você me toque.
- Quer que eu continue falando?
- Cacete, sim.
- Tá, então ela voltou com uma mordaça para colocar na minha boca. Essa aqui - disse, mostrando para ela.
- Como ela usou? - ela disse, pegando a mordaça nas mãos enquanto eu contornava a vulva dela com minhas mãos
- Ela subiu em cima de mim...
- Assim?

Sam parou e subiu em cima do meu colo e colocou meu pau dentro dela. Assim, de cara. Puta que pariu. Ela começou a cavalgar sem dó nem piedade.
- Sim... Assim mesmo...
- Continua me falando.
- Ah... Ela colocou um travesseiro embaixo da minha cabeça... Eu abri minha boca para ela enfiar a mordaça...
- Você curtiu?
- Sim... Ai...
- O que ela pediu para você fazer depois? - ela disse, aumentando o ritmo.
- Ela levantou e sentou na minha cara. Ela movia os quadris e eu movia só a ponta língua por baixo da mordaça... Ai caralho...
- Me fala como ela fez que eu vou ter fazer gozar...
- Ela pegou no meu pau e sentou em cima de mim. Como você tá fazendo agora. Sentou bem fundo, pra ver até onde ia...

Sam agora sentava com força, sem parar, gemendo alto enquanto eu gemia junto.

- Me fala o quanto foi gostoso...
- Foi gostoso pra caralho...
- Implora pra eu sentar, vai...

Eu esqueci a história e pedi, por favor, pra ela sentar com força no meu pau. Passei a mão no clitóris dela enquanto ela sentava, senti a buceta toda inchada e pronta pra gozar...

- Não para, por favor... - implorava.

Ela gozou no meu pau e eu senti toda aquela buceta se contrair. Eu senti que ia gozar, estremeci e dei um gemido alto.

É, parece que teria que trazer mais histórias da próxima vez...

Fim.

 

Tradução livre de podcast publicado originalmente no Dipsea. Escute o áudio original.

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Conheça o Bullet Lilit, seu (novo) primeiro vibrador.

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima