Atrás da porta fechada II - Contos Eróticos

Histórias eróticas para mulheres livres. Se inspire e desperte a sua imaginação para sentir na intensidade que você deseja. Contos para gozar, se deleitar. Na vida, no quarto e na cama.

- Oi amor.
- Oi! Tô aqui!


Ele entrou no banheiro e me viu deitada na banheira, coberta de espuma e com vinho branco do lado. Eu merecia aquele momento de paz.

- Nossa, que delícia de banho...
- O trabalho foi tenso hoje, nossa. Tava precisada. Eu tô tirando um tempo pra relaxar e descansar minha cabeça.
- Bom, se você quiser que eu ajude com isso...
- Ah é?
- Sim. Eu trouxe algumas coisas novas para você. Porque você não se seca e vem ver o que comprei?

Ele saiu do banheiro e eu comecei me secar. Hoje era dia. Saí do banheiro completamente nua, meus pés ecoando no chão de taco. Ele se virou e ficou surpreso, com os olhos semicerrados.

- Uau!
- É, me toquei que não tinha motivo pra me vestir...
- Não se mexa. Deixa eu te admirar por um segundo. Meu Deus, que mulher. Posso te girar pra ter uma visão panorâmica?
- Claro que pode. A vista é livre.

Enquanto ele me girava, senti o calor do seu corpo emanar sob o meu. Meus mamilos se enrijecerem e senti arrepios deliciosos na minha nunca, enquanto ele me observava de costas.

- Você é tão perfeita... Eu amo esse cantinho onde suas costas encontram seus quadris, você tem essas duas covinhas lindas em cima da bunda.
- E essa parte aqui? você gosta? - disse, pegando a mão dele e colocando na minha vulva.
- Hmmmm... amo... vem aqui.

Girei e fiquei de frente para ele, na frente da cama, e comecei a tirar as coisas da sacola ao seu lado. 

- Você sabe o quanto você me excita? O poder que tem sobre mim? - ele disse, colocando o tecido gelado e delicioso no meu ombro.
- Hmmmm que tecido gostoso. É seda? Você vai me vendar com ele?
- Só se você se comportar.
Tirei da sacola uma mordaça em formato de bola. Eita. Hoje tem.
- E isso aqui? Nunca usei uma mordaça antes...
- Sim, porque você sabe que eu amo te ver implorando. Mas tudo tem uma primeira vez.
- Mas eu acho que você não quer ter poder nenhum hoje. Ser submissa.
- Sim...

Nos beijamos.

- Vai pra cama. Não me faz falar de novo. Isso. Agora vira de barriga para baixo e olha ali para parede. Coloque as mãos atrás das costas.
Eu amava esse jogo. Resolvi resistir para ver o que acontecia.
- Não me faça repetir o que já disse. Vou contar até três.
Fiquei imóvel e dei um sorriso safado para ele. Eu amava isso até demais.
- 1, 2, 3... - um tapa ressoou pelo quarto. Nesta altura, estava completamente molhada.
- Você ama isso né? Ótimo. Bom. Primeiro eu vou amarrar isso aqui ao redor dos seus olhos. Você não vai poder usar a palavra de segurança quando tiver com a mordaça na boca, tudo bem?
Consenti com a cabeça.
- Então, se quiser parar, vai ter que levantar sua mão assim. Exatamente. Boa garota. Coloque a venda, isso. Agora vire de costas. - ele disse, enquanto subia em cima de mim com a mordaça.
- Por favor, vai logo...
- Cade os modos? Você é muito impaciente.
- Por favor.... eu preciso muito disso...
- Melhorou. Antes de eu colocar isso na sua boca, preciso saber até onde você vai. Qual é seu limite. Quero que fique confortável.
- Eu quero tudo. Tudo o que você poder me dar. Eu faço o que você quiser...
- Eu vou colocar isso aqui em você agora. - senti as tiras couro ao redor da minha cabeça e abri a boca, mordendo a bola de silicone.
- Hmmmm, você fica tão linda deitada assim... - ele disse, encostando a mão na minha vulva. - Como você tá molhada... Eu quero que você se toque. Quero você libere toda a tensão. Relaxa, não pensa, só curte...

Mesmo com a bola na boca, gemia abafado. Comecei a me tocar - primeiro meus lábios externos, depois internos, depois meu clitóris, espalhando toda minha lubrificação natural.

- Como você é gostosa, eu disse pra mim mesmo que não ia te tocar mas eu não resisto a essa buceta. Eu só queria meter o pau em você quando você estivesse escorrendo na cama, mas quero muito te tocar.

Meu tesão aumentava e aumentava, e sentia que a minha mão não era o suficiente. Como ele amava me provocar...

- Sabe o que estou fazendo? Me masturbando enquanto penso como seria a sensação da sua boca ao redor do meu pau... Eu quero te fuder até você esquecer seu nome.

Senti ele começar a penetrar enquanto tocava no meu clitóris. Cacete, eu ia gozar ali mesmo.

- Você está tão molhada... Isso, respira com calma. Deixa meter em você.

Senti o pau dele dentro de mim enquanto gemia entre a mordaça. Ele ia mais rápido mais forte, e puxava levemente meu cabelo, enquanto mordia meu pescoço. Todos os meus sentidos estavam sobrecarregados com ele dentro de mim. Não ia durar muito mais tempo.

- Você vai gozar, vai? Isso... aperta meu pau... porra, vou gozar também...

Senti seu sêmen jorrar ao mesmo tempo que gozava. Nós dois estávamos exaustos, contentes e eu estava completamente suada, ainda amordaçada. Ele riu e tirou as tiras de couro da minha cabeça.

- O que foi isso? Cacete, você tava inspirado hoje!
- Isso porque não viu o que vai ter na sacola na semana que vem...

O que vai aparecer na bolsa dele no próximo encontro? Vai ser uma nova punição? Descubra. 

(Veja a continuação do conto)

 

Tradução livre de podcast publicado originalmente no Dipsea. Escute o áudio original.

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Conheça o Bullet Lilit, seu (novo) primeiro vibrador.




Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima