Doutor e Doutora - Contos Eróticos

Histórias eróticas para mulheres livres. Se inspire e desperte a sua imaginação para sentir na intensidade que você deseja. Contos para gozar, se deleitar. Na vida, no quarto e na cama.

Anos na residência juntos, Carla e João já conversavam quase por telepatia. Anos como amigos, anos aprendendo juntos. No meio da tensão e caos do hospital, podia rolar alguma coisa? 

Eu e João nos conhecemos na faculdade de medicina. Ele era da minha turma e nós passamos quase o tempo todo juntos, como dupla. Chamamos o cadáver na aula de anatomia de Oscar, porque tinha cara de Oscar. Nós tínhamos quinhentas piadas internas juntos.

Nós fechávamos juntos a biblioteca toda noite - passávamos horas estudando juntos - varávamos a noite. Sempre que aprendíamos sobre uma nova doença, um de nós tinha certeza que tinha a contraído. A faculdade era uma bolha, e eu o João tínhamos aquela afinidade incrível. Não conseguíamos nos desgrudar.

Naquela noite, estávamos na residência juntos, fazendo o plantão na emergência.

- E aí, qual é parada?
- Você não acredita o que aconteceu comigo. - eu disse.
- Então, tamos sobrecarregados né?
- Sim, tem muitos novos pacientes essa noite.
- Tá uma loucura! Sabe o Carlos? Vi ele dando pontos na cabeça de um cara - uma ferida enorme. Um motoqueiro que foi atingido por um carro. E ai do nada, o paciente na outra cama teve uma parada cardíaca. E ai tivemos que correr pra ali. Enquanto ele trocava as luvas e o cara morrendo ali do lado, ele falou "revive aí o cara" e saiu!
- Puta que pariu... E deu certo?
- Sim. Revivi ele e colocamos dois stents com o Dr. Almeida.
- É o que você quer se especializar né? Cirurgia cardiológica?
- Sim. Foi uma experiência necessária.
- Isso é incrível! Tenho muito orgulho de você.
- Obrigada. Eu corri aqui pra te falar.


Eu tinha muito trabalho, mas tinha que encontrar ele. Eu amava a barba recém feita e o pijama cirúrgico meio puído. Era um contraste que era a cara do João: energia caótica com um autocontrole.

- Vem cá, a sala de radiologia 3 tá fechada. Eu tenho 20 minutinhos sobrando do meu almoço. Me encontra lá? - ele pediu. Senti um sugestão implícita no pedido e senti arrepios deliciosos.
- Agora?
- Vamos, Carla... Não vai ter ninguém ali até oito da noite.
- Tá. Tô indo.

Fechamos a porta e na mesma hora, ele me abraçou pelas costas. Como eu esperava aquele momento.

- Eu queria muito isso... - falei.
- Eu também.
- Consegue imaginar nós dois tirando os pijamas cirúrgicos aqui mesmo e transando?
- Você quer isso? O que mais você quer? - ele disse, se aproximando do meu ouvido.
- Eu quero te envolver com minhas pernas. Quero te beijar intensamente, te mostrar o quanto eu esperava por esse momento.

Ele me colocou contra a parede e nos beijamos. Senti as suas mãos na minha calça e eu já estiva tirando a blusa dele. Não demorou para ficarmos pelados. Virei de costas, contra a estante, e ele passou a mão na minha vulva.

- Como você tá molhada...
- Me come logo. Vai.

Eu não tinha mais paciência pra aquele jogo. Foram muitos e muitos anos querendo que isso acontecesse. Ele passava a mão no meu clitóris quando me penetrou. Gememos juntos.

Não existia mais hospital, mais João, mais Carla. Eramos um só: uma excitação incrível, uma troca sem igual, um prazer crescente.

Ele circulava o meu clitóris enquanto me comia. Coloquei minha mão por cima da sua e mostrei como eu gostava de sentir prazer. Rápido, e depois quase parando. Ele aprendia rápido. Senti a euforia do gozo vindo e gemi alto.

- Eu vou gozar... não vou aguentar essa buceta apertada.... - ele falou no meu ouvido.
- Goza dentro! Eu tomo pílula.
- Ai porra...

Senti ele ejaculando dentro de mim. Aquele quentinho incrível, junto com sua respiração no meu ombro.

- Precisamos fazer isso mais vezes...
- Toda terça. Sala liberada.
- Seu safado...

 

Conto sexual traduzido livremente de podcast publicado originalmente no Dipsea. Escute o áudio original.

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Conheça o Bullet Lilit, seu (novo) primeiro vibrador.

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima