Realeza - Contos Eróticos

Histórias eróticas para mulheres livres. Se inspire e desperte a sua imaginação para sentir na intensidade que você deseja. Contos para gozar, se deleitar. Na vida, no quarto e na cama.

Sara sonha que está no século XVI e é parte da corte de Maria Antonieta. Ela resolve aproveitar o sonho e acaba em um Labirinto, onde conhece um certo Conde Milleur. A noite é uma criança.

Pérolas em volta do meu pescoço me lembravam que eu não estava no meu habitat natural. Uma senhora com perfume doce e uma enorme peruca branca passava um rouge nos meus lábios e bochechas, enquanto eu encarava o jardim luxuoso da janela rococó revestida de ouro.

Olho para os lados e de repente, anoiteceu e estou com um vestido lilás com uma enorme anágua e mangas bufantes, que quase não me permitem mexer. Passo de relance em um espelho e vejo o tecido da máscara de renda cobrindo meu rosto. Não me reconheço.

- Mademoiselle, a senhora está atrasada! - vem uma voz do jardim

- Estou indo, Charles - respondo.

Charles? Como eu me lembro o seu nome se nunca o vi?

Saio de casa e subo na carruagem. A noite está quente e clara - e eu não estava acostumada com toda aquela anágua. É como se eu estivesse vivendo em outra pele, disfarçada - uma espiã em ação.

- Chegamos, Mademoiselle Deschamps!

Abro meus olhos, escondidos entre a máscara e me encontro em um jardim esverdeado, todo coberto de mini luzinhas de velas, milhões delas. Me vejo caminhando entre os lordes, condes, viscondes e damas mascarados como uma intrusa, uma alienígena.

Minha peruca pesa, meu corpete me abafa, mas por baixo dessa armadura, me sinto mais segura.

-Você veio!!!!

Senti um abraço nas minhas costas. Virei e olhei uma mulher de rosto pálido com uma máscara de ouro. Atrás delas, parecia que estava uma escolta real. Peraí, escolta real?

-Vim! Marie, quanto tempo. Como está Louis?

E como eu sei de tudo isso??

-Tá tudo bem. Eu espero que você esteja confortável no Petit Trianon.

Escolta real, máscara de ouro, Petit Trianon, a pele de porcelana... Marie... Meu deus, é Marie Antoniette? Que que tá acontecendo? Escondi minha cara de espanto. Ela continuou falando:

- É o meu refúgio, você sabe. Nada mais justo que minha melhor amiga de infância fique no meu lugar favorito do mundo.

De repente, passa um homem com toda a velocidade e encosta em Marie com uma faixa vermelha, que gruda no seu vestido de fios dourados.

- Tá com você, vossa majestade!

Ela ri e sai correndo em sua direção. Eu pego uma taça de champanhe e decido virar tudo - isso aqui decididamente é um sonho ou uma alucinação.

Abro o olho e estou de novo em um novo lugar, sem minha taça de champanhe. Porra, nem controlar meus sonhos eu consigo.

Olho para os lados e estou em um labirinto verde, o arbustos altos, as luzes e violinos distantes na festa.

- Vou te pegar!!!

Escuto o farfalhar de risos e vozes furtivas entre os arbustos. Gemidos, beijos e risadas. O cheiro de cedro e o champanhe na minha boca do nada, começam a me excitar. Já que estou aqui, vou aproveitar.

Solto uma risada e corro livre pelo labirinto, tentando alcançar alguém. Estou suada e resolvo tirar a anágua e a peruca. Vou largar no meio do caminho. Afinal, é só um sonho.

Chego em uma clareira com uma estátua de uma musa grega. Chego perto e passo a mão na pele gelada do mármore.

- É um Rodin. Tome cuidado.

A voz grossa veio de um homem sentado no banco, fumando um charuto. Eu achei graça. E dei uma risada debochada. Já tinha entendido que era um sonho e estava 0% aí para minha reputação.

Olhei para ele pela primeira vez e fiquei chocada. Sabe quando você não tá muito preparada para o impacto de uma pessoa muito bonita? Ele parecia que era esculpido do mesmo mármore da estátua, os cabelos negros longos, as mãos, lábios e nariz enormes. Tudo nele era grande.

Ele, por sua vez, com certeza me olhava como uma selvagem de cabelos soltos. De certo, achava que eu estava doida.

E naquele momento, talvez eu estivesse.

Sentei do seu lado no banco e peguei o charuto de sua mão. Dando uma longa tragada. Ele me olhava incrédulo.

- E você seria?

- Mademoiselle Deschamps. Enchanteé.

- A senhora perdeu a sua peruca e anágua? Foi atacada? - ele perguntou, sério.

- Não. Estavam pesadas e larguei pelo caminho. Essas roupas parecem armaduras. E não me chame de senhora.

- Você não é daqui. - ele afirmou.

- Não. Mas isso não importa. Quero aproveitar o tempo que me resta. Só me diga seu nome.

- Milleur. Conde Milleur.

-Hm, Conde, me conta: você já transou em um jardim antes?

Sentei no seu colo, de frente pra ele. Ele mudou a expressão: de super sério, sorriu e colocou a mão nos meus quadris. O clima tinha mudado em milissegundos. Eu passei a mão no seu pescoço e comecei a roçar nele.

- De onde saiu essa criatura selvagem, essa ninfa de jardim? - ele se perguntava, me perguntava. O brilho nos seus olhos era intenso, quente. Eu rebolava nele e sentia sua ereção.

- De um lugar muito distante, onde não existem anáguas nem perucas.

Puxei minha calcinha para baixo e abri sua braguilha, sentindo suas mãos em meus seios.

Sentei de uma vez e nós dois gememos. Eu o beijei ferozmente e ele me beijava de volta com a mesma intensidade.

Eu iria sentar nesse homem. Gozar nele. Iria usufruir daquele pau até acordar. Sentava sem parar e de repente, ele me levantou e me encostou contra a estátua.

Entre os gemidos, eu soltei:

- Ah... não era um Rodin?

- Foda-se o Rodin. Estou com uma Deusa. Uma ninfa.

Ele me comia como um homem desesperado. Seu cabelo longo, seus lábios carnudos me devorando, suas mãos fortes me carregando enquanto ele metia dentro de mim. Nós dois sabíamos que nunca mais nos veríamos.

Eu senti que ele estava perto e o abracei. Ele foi mais rápido, olhando para os meus olhos atrás da máscara. Seus olhos pareciam âmbar líquido. Porra...

Gozei mordendo seu pescoço e senti ele logo depois, dentro de mim.

O alarme na cabeceira tocou e eu acordei assustada. E claramente muito excitada. Estava de volta, dentro meu quarto azul turquesa.

E nunca mais veria meu Conde.

(Continua)

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Conheça o Bullet Lilit, seu (novo) primeiro vibrador.

1 comentário

Muito excitante…quero ver os próximos capítulos!!!

Edeilza 27 abril, 2021

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima