Como aumentar a libido sexual feminina

Seis anos depois do azulzinho revolucionar a capacidade sexual masculina, muitas mulheres ainda estão esperando a vez delas. Até agora, não existe nenhum remédio aprovado para aumentar a libido feminina. 

E não é um problema raro. Uma baixa libido é uma das queixas mais recorrentes nas mulheres - de 30% a 40%, de acordo com a Dra. Sandra Lieblum, diretora do Center for Sexual and Relationship Health no Robert Wood Johnson Medical School.

Como aumentar a libido e o desejo feminino

Através da história, poções e emplastros ajudavam na lubrificação natural feminina, mas existiam alguns remédios duvidosos chamados de “poções de amor”, como o óleo de cobra. 

Não é porque alguém alguém afirma que conseguiu fazer algo para aumentar a libido feminina, que ele está baseado na ciência. “Não quer dizer que é verdade. Nós temos que nos certificar que o que ele afirma tem documentação e evidência científica” afirma a médica Beverly Whipple, VP do World Association for Sexology.

Ainda assim, mesmo quando existem evidências científicas, existe a preocupação que as mulheres estudadas podem ter um efeito sugestivo só de participar em grupo de estudos científico sobre como aumentar a libido feminina. Isso se chama efeito placebo.

“Isso tem a haver com as expectativas e esperanças das mulheres estudadas que alguma intervenção vai ser benéfica para elas” conta Lieblum, notando que a antecipação também muda o comportamento. “Qualquer mulher que participa de um estudo para aumentar a libido é motivada para melhorar a sua própria libido.”

O efeito do placebo é tão forte que muitos especialistas de saúde só consideram estudos cegos, com controle do placebo. Nesses estudos, um grupo de participantes recebe o remédio real e um de mentira. Nem os pesquisadores nem os participantes sabem qual é o remédio real. Aplique esse critério para uma dezena de afrodisíacos paras mulheres que já existem, e o número deles possivelmente baixaria para um ou dois efetivos. As opiniões dos especialistas divergem bastante no que funciona para a libido feminina. 

Existe um consenso de como o desejo feminino é complexo. “O desejo da mulher é tão complexo que a biologia é só um fator que que motiva a libido” conta a terapeuta Jean Koehler, ex-presidente da American Association of Sex Educators, Counselors, and Therapists.

Além da biologia, os seguintes fatores afetam a libido feminina:

  • Se o seu relacionamento é saudável 
  • Sua bagagem emocional na infância e adolescência
  • Um grupo de amigos que te apoiem
  • A qualidade do sexo e toque
  • Parceiros compreensíveis
  • Idade
  • Doenças
  • Uso de medicamentos
  • Saúde mental

Algum problema com um ou mais desses fatores pode afetar diretamente a libido feminina. Na medicina, a perda de interesse em sexo clínica é chamada de desordem do desejo sexual hipoativo (DHEH). 

Como aumentar a vontade de ter uma relação sexual?

Apesar dos rumores e vários anúncios dizendo o contrário, não existe nenhum Viagra feminino. “Nós sabemos que Viagra não funciona nas mulheres. Nós somos diferentes no que queremos, no que desejamos, no que é gostoso pra nós, além de sermos diferentes nos níveis bioquímicos” - conta Whipple. 

A sexualidade feminina é realmente, mais complexa que a sexualidade masculina e mesmo com estudos científicos feitos com 3000 mulheres, a Pfizer, fabricante do Viagra, não conseguiu concluir nada. Eles anunciaram recentemente que acabaram os estudos com mulheres usando Viagra. 

Mas isso não significa que não existe esperança de um medicamento para as mulheres. Tem diversas pesquisas sobre outros remédios para aumentar a libido feminina: 

  • Testosterona: dois estudos feitos pela Procter & Gamble mostram que adesivos de testosterona podem aumentar a atividade sexual em 50%-70% das mulheres com desordem do desejo sexual hipoativo. Outros estudos foram feitos em mulheres que removeram seus ovários - os ovários são grandes fontes de estrogênio e testosterona - e tiveram resultados promissores. Se tudo der certo, daqui a um ou dois anos, teremos adesivos de testosterona para tratar a DHEH.  
  • Estratest: Existe um andrógeno (hormônio masculino) aprovado pela Anvisa no mercado para as mulheres. O Estratest é uma combinação oral de estrogênio e testosterona e trata sintomas da menopausa, além da baixa libido. Mas como todo os hormônios, têm efeitos colaterais: pode aumentar o risco de acidentes cardiovasculares, câncer endometrial e no fígado e trombose. 
  • Wellbutrin: Existem evidências que o antidepressivo SSRI Wellbutrin pode melhorar a libido da mulher. Em um estudo preliminar com 66 mulheres - a maioria não estava na menopausa - 39% disseram que aumentaram seus níveis de libido. “O que acontece é que quando tratada a depressão, a libido aumenta, porque a depressão está sendo tratada.” - conta Dra. Koehler. Outros antidepressivos, como Fluoxetina e Zoloft, diminuem a libido - mas pode acontecer também no uso do Wellbutrin: “a resposta é muito individual quando se trata desses medicamentos” - conta a Dra. Ellison. 
  • Remédios herbais: Provavelmente, vários suplementos na sua drogaria local tem a promessa de aumentar a libido feminina. Mas algum deles funciona? A Dra. Whipple conta que ela só achou dois suplementos usados para disfunção sexual que tiveram estudos apropriados: ArginMax e Zestra - não disponíveis no Brasil. Antes de tomar um suplemento herbal, é importante saber como ele interage com os remédios que você já toma (exemplo: ginko biloba pode causar sangramentos interagindo com aspirina), e o mais importante é consultar seu médico para ver se é apropriado para seu corpo. 

Uma mudança interna

Mudar o estilo de vida, a atitude e os relacionamentos não é algo que você consegue comprar em uma farmácia - e os especialistas dizem que é a chave para descobrir a falta de libido. 

“Para as mulheres, o desejo sexual é dependente de estar saudável e realmente se sentir bem dentro de um relacionamento. Não existe nada no armário de remédios que vai te ajudar mais do que essas duas coisas” conta a terapeuta Shifren. Parte de estar fisicamente e emocionalmente saudável é ter uma dose saudável de realismo. É normal ter uma baixa libido, conta Ellison. Na verdade, ela diz que não é realista esperar sentir desejo o tempo todo, como mostram na TV. 

Na vida real, onde as pessoas estão em relacionamentos longos, atarefadas com trabalhos e crianças, o desejo sexual não está sempre presente. Ao invés de procurar pela libido, Dra. Ellison recomenda criar oportunidades de ter momentos de qualidade juntos: “Talvez o que você precise procurar um jeito de ficar mais interessada no seu parceiro” - ela conta. 

Fazer atividades divertidas como caminhadas, escutar música, ver Netflix, tomar um banho longo, ler um romance pode ajudar as mulheres a querer transar. Essas atividades ajudam as mulheres a mudar para um modo mais divertido e sexual e colocar de lado o papel de mãe, esposa, empregada ou empregadora, conta a terapeuta:

“Hoje nós vemos as mulheres tentando se encaixar em um papel linear masculino sexual responsivo: desejo, excitação e orgasmos. Mas mulheres não funcionam desse jeito. Às vezes segurar as mãos e beijar é tudo o que as mulheres precisam e desejam. Faça o que você gosta de fazer.”

 

Escrito por Team WebMD. Tradução livre de artigo publicado originalmente no WebMD. Leia o artigo original.

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Conheça o Bullet Lilit, seu (novo) primeiro vibrador.

1 comentário

Ótimo…adorei o conteúdo.

Edeilza 11 fevereiro, 2021

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima