Como falar sobre sexo com seus filhos

Muitos de nós ainda nos lembramos de quando tivemos "a conversa" com nossos pais. Agora alguns de nós, como pais, podemos simpatizar com a relutância de nossas mães e pais, enquanto todos nós nos apressamos ao ter essa conversa. O sexo é um tópico difícil de abordar com crianças, mas é muito importante para o nosso desenvolvimento. Fizemos algumas perguntas para o Dr. Robin Berman - psiquiatra praticante, professor associado de psiquiatria na UCLA e autor de Permission to Parent - e ele explica porque o sexo deve ser uma conversa contínua entre pais e filhos. 

Quais são algumas maneiras de tornar menos embaraçoso falar com crianças sobre sexo? Alguma dica para superar esse obstáculo mental e emocional?

O primeiro passo com qualquer discussão potencialmente incômoda com nossos filhos é estarmos seguros em nós mesmos. Aceitar que esta pode ser uma conversa embaraçosa, em parte porque é o início de uma perda de inocência - faz parte de um desenvolvimento normal e saudável. Nossos filhos captam nossa energia, por isso é importante acalmar a sua própria ansiedade antes de ter a discussão, ficar o mais relaxado possível e apresentar as informações de uma maneira muito simples e direta - que o ajudará a permanecer calmo e direto.

Lembre-se de que não há ninguém que você prefira transmitir estas informações do que você, um parente de confiança que ama seus filhos. Você não quer que o professor seja a Internet ou os colegas de seus filhos. Também precisamos estar atentos para não projetar vergonha ou constrangimento que nós mesmos possamos ter experimentado como crianças.

Você acha que é tão difícil ou desconfortável para as crianças se abrirem quanto para os pais? Ou as crianças estão mais dispostas a ter conversas mais "difíceis" do que pensamos?

Acho que a maioria dos pais ficaria surpreso com o quão confortável seus filhos estão para falar sobre sexo. As crianças são curiosas e querem informações. Criar um ambiente que torne seguro para uma criança trazer à tona questões é uma parte importante da parentalidade, não apenas para o sexo, mas também para outros assuntos.

A pesquisa apóia a idéia de que as crianças se beneficiam ao conversar com seus pais sobre sexo (ou outro assunto em particular)?

Sim. Uma abundância de pesquisas mostra que a educação parental com um estilo de apoio aberto e responsivo leva a um comportamento sexual adolescente menos arriscado. Por exemplo: um estudo mostra que os jovens cujos pais discutiram sobre o uso do preservativo antes dos adolescentes iniciarem relações sexuais eram três vezes mais propensos a usar preservativos do que os adolescentes que não tinham tido essas discussões. Pesquisas também mostram que crianças que se sentem ligadas a seus pais têm menos probabilidade de usar drogas e menos probabilidade de se envolverem em comportamentos sexuais precoces ou de risco.

Como você recomenda conversar com as crianças sobre como se proteger dos predadores on-line, dos predadores da vida real e dos estupros no geral?

Ao ter conversas com seus filhos sobre segurança on-line, estabeleça limites claros. As "conversas" com estranhos on-line não devem ser permitidas, e todas as configurações de mídias sociais devem ser definidas como privadas. Além disso, os pais devem monitorar a mídia social e a atividade da Internet o máximo possível, particularmente com os adolescentes mais jovens. Quanto à vida real, é de vital importância ensinar às crianças que o corpo é delas e que elas têm o direito de dizer não. Ninguém está autorizado a tocá-los se não quiserem ser tocados. E uma criança nunca deve ser forçada a tocar em outra pessoa. Explique a importância de ouvir sua voz interior, e de confiar nesses sentimentos instintivos. Se você não se sente bem, não é certo. Eles precisam ter poder para se defenderem e dizer não, para deixarem a situação, e contar a um adulto de confiança o que aconteceu. 

Como você recomenda falar com as crianças sobre consentimento e respeitar limites?

Uma das bases da boa criação de filhos é ensinar às crianças o respeito e a bondade, e isso, naturalmente, se aplica à sexualidade. É preciso explicar continuamente para as crianças que o contato sexual com um parceiro deve ser um ato consensual, e que o consentimento de seus parceiros é primordial. A gratificação sexual nunca deve vir às custas dos sentimentos de um parceiro. Aqui estão as perguntas que você poderia fazer a seu jovem adolescente para ele pensar:

  • Será que meu parceiro se sente confortável?
  • Será que minha comunicação foi aberta?
  • Estou respeitando os limites do meu parceiro?
  • Estou pressionando meu parceiro de alguma forma a fazer algo sobre o qual ele não tem certeza?

Infelizmente, nossos filhos são inundados por imagens tóxicas e muitas vezes assustadoras antes de seu primeiro beijo. Pegar emprestada a revista Playboy de um pai, no passado, é algo benigno em comparação com o que está disponível hoje online. Se você pesquisar a palavra "sexo" no Google, orgias, masoquismo e um mar de imagens desrespeitosas surgem, e é por isso que é essencial ter conversas sobre experiências mutuamente amorosas, respeitosas e consensuais. Mais uma vez, você não quer que sua educação sexual venha da internet!

Como os pais podem ter certeza de que as linhas de comunicação estão deixadas em aberto e que seus filhos podem se sentir à vontade para vir até eles quando tiverem perguntas?

Esta é uma das partes mais essenciais da educação de seus filhos sobre sexo. Precisamos fomentar um ambiente em casa onde as crianças se sintam totalmente à vontade para vir até nós com suas perguntas. Como criamos este ambiente? Não sendo reativos, nervosos, zangados, envergonhados ou mudando de assunto. Você quer ser o lugar protetor e seguro - protegendo-os do mundo exterior. Para ajudar a deixar seus filhos à vontade para fazer perguntas, seja calmo e encoraje-os a sempre se sentirem livres para fazer perguntas e, é claro, responder às perguntas com informações verdadeiras e adequadas à idade. Como mencionado acima, lembre-se de evitar a mentalidade de que há uma "grande conversa" sobre sexo, mas reveja isso como uma conversa contínua que evoluirá conforme seu filho cresce.

Existem recursos educacionais sobre sexo confiáveis que os pais podem compartilhar com seus filhos?

A boa notícia é que há muitos recursos informativos disponíveis on-line. Um ótimo site é da Universidade Rutgers. Outro recurso é o Planned Parenthood, que tem uma ótima lista de outros sites e livros úteis. Para muitos pais, ler um livro apropriado à idade com seus filhos mais novos é uma maneira fácil e prática de iniciar uma conversa.

Qual é a grande lição que deveríamos estar dando aos nossos filhos?

Quanto mais você capacitar crianças e adolescentes com conhecimento, mais chances eles terão de fazer escolhas saudáveis. Além disso, falar aberta e diretamente sobre sexo com seus filhos os convida a se sentirem à vontade para discutir o assunto com você. O mais importante é que você é o recurso seguro, e a primeira pessoa a quem eles querem recorrer.

Finalmente, não é desejável que o desenvolvimento sexual de uma criança seja envolto em segredo e vergonha - e é nosso trabalho como pais colocá-los no caminho que leva a uma intimidade adulta saudável e amorosa. Sempre adorei que a palavra intimidade signifique "em mim, você me vê". Que isso seja uma metáfora para o que você transmite a seus filhos: amor e sexualidade é ver, conhecer e conectar-se verdadeiramente com um parceiro.

Escrito por Time Goop. Tradução livre de artigo publicado originalmente no Goop. Leia o original.

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

 

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima