Masturbação: uma forma de autocuidado

Se você ler qualquer site de bem-estar, provavelmente você vai encontrar um artigo defendendo a masturbação como uma prática saudável ou como um ritual de autocuidado. "Explorar você mesma é realmente bom para você", ecoa Cosmo. E, na Lilit, nós divulgamos os benefícios da masturbação o tempo todo.

Até recentemente, porém, as opiniões populares sobre o autoprazer eram o oposto. A masturbação foi historicamente considerada pecaminosa, insalubre, prejudicial ao sexo a dois, ou no mínimo, indulgente. O movimento atual de normalizar e defender a masturbação, especialmente a masturbação feminina, é uma reação contra as visões predominantes dos últimos séculos.

Pontos de vista sobre a masturbação ao longo da história

Durante milênios, a masturbação foi retratada e celebrada na arte. Da pintura rupestre pré-histórica à figuras de barro maltesas e pinturas de pergaminho chinesas, do Kama Sutra à comédia grega, o amor-próprio era retratado sem julgamento - e com frequência.

A época das antigas civilizações foi o último período histórico em que a masturbação gozou de ampla aceitação. O filósofo grego Diógenes, o cínico, era conhecido por se masturbar em público, afirmando: "Se ao menos fosse tão fácil acabar com a fome esfregando minha barriga". Uma estátua de uma mulher masturbando-se foi encontrada na antiga Malta, e os antigos faraós egípcios se masturbavam no Nilo como parte de um ritual espiritual.

Logo após este tempo, porém, o cristianismo estigmatizou qualquer forma de sexo que não fosse reprodutiva, diz Hallie Liberman, autora de Buzz: The Stimulating History of the Sex Toy. "A masturbação tem sido considerada um pecado desde o século IV, não só porque não era reprodutiva, mas também porque ocorria fora do casamento", explica ela.

Aqueles que pregavam contra a auto-estimulação e contra pensamentos sexuais e todas as formas de prazer sexual, encontram na Bíblia um bom material para apoiar sua campanha contra o comportamento sexual normal.

Tessalonicenses: "É da vontade de Deus... que você evite a imoralidade sexual".

Gálatas 5: "O fruto do espírito é...o autocontrole".

Coríntios: "Seu corpo é um templo do Espírito Santo...honre a Deus com seu corpo".

Mateus 5: (citando Jesus) "Se a tua mão direita te faz pecar, corta-a e joga-a fora".

Colossenses: "Morte ao que há de terreno em ti: imoralidade sexual, impureza, paixão..."

Efésios 5: "...a imoralidade sexual e toda impureza e cobiça não devem sequer ser nomeadas entre vós...todos os que são sexualmente imorais ou impuros...não têm herança no reino de Cristo e de Deus...".

Hebreus: "Que o casamento seja celebrado em honra de todos e que o leito matrimonial seja imaculado, pois Deus julgará os imorais sexualmente"...

Gênesis: "...sempre que ele [Onan] dormia com a esposa de seu irmão, ele derramava seu sêmen no chão...e o que ele fazia era ruim aos olhos do Senhor, e Ele o matava".

Essa última citação bíblica é particularmente problemática. Segundo o texto, Deus tinha ordenado a Onan que dormisse com a esposa de seu irmão, depois que Deus matou o irmão. Onan "derramou sua semente" porque a impregnação de sua cunhada teria colocado em perigo sua herança, e Deus matou Onan por desobedecê-lo - não pelo suposto "ato de masturbação" que nunca é mencionado nas escrituras.

Mesmo assim, todas essas citações (muitas vezes citando a graça de Deus) foram usadas durante séculos para condenar não apenas o prazer próprio, mas qualquer ato sexual que não fosse a relação sexual dentro de um casamento. Mesmo as poluções noturnas completamente normais (sonhos molhados) eram ditas que tornavam um homem impuro, e ele permanecia "impuro" por 24 horas, mesmo depois de ter tomado banho. Desejo sexual e fantasia sexual? Esqueça-os também: eles são pecados.

(Muitas religiões, incluindo a Igreja Católica Romana, e evangelistas dos tempos modernos como o teólogo John Piper, ainda hoje citam a mesma escritura - embora a grande maioria de seus seguidores pratique regularmente a masturbação e outras atividades sexuais "proibidas". Notavelmente, as passagens que citam tratam de assuntos como "pecado" e "pecado sexual", "luxúria" e "autocontrole", em vez de masturbação).

No século XVIII, o estigma atingiu seu auge, graças ao panfleto inglês de ampla circulação Onania; ou, o hediondo pecado de autopoluição. O autor anônimo do livro argumentou que a masturbação era viciante e poderia danificar os nervos e músculos. O panfleto e livros semelhantes que se seguiram, alguns de filósofos famosos, foram concebidos em grande parte para apoiar as normas sociais que condenavam a masturbação - e se baseavam nas crenças religiosas de longa data que discutimos.

Por volta desta época, os médicos também entraram em ação. Eles começaram a avisar os homens que eles tinham um número limitado de espermatozóides e que precisavam conservá-los, diz Lieberman. Com as mulheres, muitos médicos viam a masturbação como uma causa ou sintoma de ninfomania.

No século seguinte, a masturbação era amplamente considerada um fator de risco para doenças que iam da cegueira à prisão de ventre até palmas das mãos peludas. A mutilação genital feminina (também conhecida como circuncisão feminina) foi praticada algumas vezes nos Estados Unidos do século XIX como uma forma de impedir que as meninas se masturbassem. "A ideia era redirecionar a sexualidade feminina para a única forma culturalmente aceitável: a relação vaginal dentro do casamento", diz Lieberman. Os EUA são um dos muitos lugares do mundo onde este processo ainda acontece.

Mudança sísmica nas visões públicas sobre a masturbação

As atitudes mudaram em meados do século 20, quando o sexólogo Alfred Kinsey começou a publicar seus resultados de pesquisa, incluindo estatísticas de que 90% dos homens e 62% das mulheres se masturbavam, diz Lieberman. Mas o movimento para normalizar a masturbação feminina realmente decolou nos anos 60 e 70, o que marcou o advento das oficinas de masturbação da educadora sexual Betty Dodson, o panfleto da sexualidade feminina “Our Bodies, Ourselves”, e lojas feministas de vibradores.

"As mulheres estavam sendo encorajadas a aprender sobre seu próprio corpo e a assumir o controle de sua sexualidade e orgasmos, e foi dito que a masturbação era um passo essencial para fazer isso", diz Lynn Comella, professora associada de Estudos de Gênero e Sexualidade na Universidade de Nevada-Las Vegas e autora do livro “Vibrator Nation: Como as lojas feministas de sex toys mudaram o negócio do prazer".

Em 1972, a Associação Médica Americana havia considerado a masturbação "nem física nem mentalmente prejudicial" ao corpo humano. Algumas décadas mais tarde, em 1994, a Cirurgiã Geral Joycelyn Elders sugeriu que a masturbação fosse incluída nos currículos de educação sexual. Esta declaração a demitiu, mas deixou um legado duradouro, incluindo a designação de Maio como Mês Nacional de Masturbação da Good Vibrations, conta Comella.

Embora a masturbação masculina nunca tenha desfrutado do mesmo movimento de capacitação que a masturbação feminina, ela foi promovida como uma alternativa mais segura ao sexo durante a epidemia de HIV/AIDS nos anos 80, diz Lieberman. E em 2020, vimos um esforço um pouco semelhante para evitar a propagação do coronavírus. Pornhub, por exemplo, tornou seu serviço de assinatura premium gratuito para incentivar os telespectadores a permanecerem em casa. As diretrizes da cidade de Nova York sobre sexo e COVID-19 continham uma frase que era muito celebrada em toda a Internet: "Você é seu parceiro sexual mais seguro".

Mesmo antes disso, porém, muitas empresas empregavam a visão da masturbação como autocuidado como uma estratégia de marketing, aponta Comella. Durante os últimos anos, as marcas de vibradores têm anunciado seus produtos como auxiliares de saúde, usando palavras como "essencial" para descrevê-los e vendendo-os nas prateleiras das drogarias.

"Há uma mistura de empresas promovendo a masturbação como autocuidado para vender mais coisas e promover suas marcas, empresas promovendo a masturbação para a saúde da nação, e educadores sexuais promovendo-a como uma forma de permanecer sãos", diz Lieberman. "Mas também existem pessoas empolgadas tentando normalizar a masturbação, tornando-a nossa maior obsessão com o autocuidado, como o meme 'hidratar, meditar, masturbar-se'".

Embora esta ênfase nos benefícios da masturbação possa ajudar a reduzir a culpa e a vergonha, ela também pode ser problemática. A masturbação pode ser uma fonte de bem-estar e autodescoberta, mas a idéia que "pode pressionar as mulheres para que sua sessão de masturbação pareça um post de Instagram estético", diz Lieberman. "Você não deveria precisar estar cantando um mantra e bebericando kombuchá enquanto está se masturbando para parecer com algo estético". É bom que as mulheres se masturbem só porque estão excitadas, e não como parte de alguma rotina espiritual ou de bem-estar maior. Se você quiser apenas se deitar na cama com uma camiseta furada  enquanto lê contos eróticos no seu celular, isso é igualmente válido".

Embora o auto prazer seja frequentemente aceito como um simples impulso físico para os homens, historicamente presume-se que as mulheres se masturbem por uma razão que não seja a estimulação sexual e a autogratificação.

Nos anos 70, anúncios de brinquedos sexuais como Prelude e Vagitone, o tom da campanha dado para os produtos era para se tornarem melhores parceiras para os homens, diz Lieberman. Embora o autocuidado seja talvez uma motivação mais saudável, aqueles que o promovem muitas vezes ignoram o fato de que as mulheres também têm desejos sexuais e nem sempre precisam de outra justificativa para se masturbar.

Outra razão possivelmente problemática para a masturbação - como justificativa de autocuidado e tem se destacado mais entre as mulheres - é que o autocuidado tende a ser considerado "feminino", explica Lieberman. Como o autocuidado já está associado a banhos e produtos de beleza, a promoção da masturbação masculina como autocuidado pode até criar mais estigma em torno dele. A partir de agora, o estereótipo permanece que a masturbação masculina é rápida e suja, enquanto a masturbação feminina é "tranquila e suave". 

“Mulheres podem ficar com tesão e querer algo rápido, sem firula. Ou mais pesado elaborado. Algumas pessoas aprenderam a fazer pão na quarentena. Outras aprenderam a ter múltiplos orgamos. Tudo é válido.” 

 

Escrito por Suzannah Weiss. Tradução livre de artigo publicado originalmente no Swell. Leia o artigo original.

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima