Minha primeira vez usando o bullet lilit

A minha (re)descoberta com um bullet

Somos Lilit | Minha primeira vez com o bullet lilit

A minha primeira vez com um vibrador foi no meu intercâmbio para Londres, na Inglaterra, já faz uns bons 8 anos. Já namorava de longa data, e pela primeira vez, iríamos ficar distantes. O mundo de vibradores e dildos era algo muito abstrato para mim: tinha aquela lembrança de quando era pequena e passava pela sex shop do shopping que frequentava para ir ao cinema. Sempre olhava para a vitrine da loja, dava alguns risinhos com minhas amigas e saía rápido antes que alguém me olhasse. Lembro da nossa curiosidade como se fosse ontem: a vitrine da loja estava lacrada para não aparecer o interior e tinha alguns itens, como lingeries, algemas e vibradores na caixa expostos. Era um mundo colorido, divertido e com aquele quê de “proibido”. E sim, era um grande tabu: nossas mães pediam para andar rápido para não olhar para loja, enquanto conversavam entre sussurros e davam risadas - não muito diferente de nós. 

Na solidão do meu intercâmbio, vi um vibrador estilo dildo pela primeira vez em uma farmácia nas gôndolas de check out, antes de pagar. A minha primeira reação foi ficar chocada pelo vibrador estar tão visível e disponível. A minha segunda reação já foi mais positiva: achei incrível as pessoas poderem ter essa liberdade de pegar, comprar e não dar satisfação nenhuma pelo uso do vibrador - um item de uso pessoal que deveria ser sempre da conta da própria pessoa que adquire. Estava lá, sem meu namorado, sozinha, só com meu próprio dedo: porque não tentar usar um vibrador? Coloquei na minha cesta. 

E foi uma experiência única: usei sozinha, com meu namorado à distância, e quase todo dia era um dia de experiência nova com o vibrador. A palavra certa para o primeiro uso foi a batida mais significativa “empoderar”. É isso que descobri que o vibrador poderia fazer por mim. Entendi o hype das pessoas sussurrando sobre os sex toys, dos workshops eróticos, das conversas apressadas entre as mães e amigas: aquilo ali era uma ferramenta para conquistar a autonomia do meu prazer. Aos 23 anos, achava que só era possível atingir um orgasmo com meu parceiro. Me masturbava, mas não era nada demais, não achava graça, não entendia a importância. Até usar o meu primeiro vibrador.  

UMA MARCA QUE EDUCA

Como uma veterana no mundo dos vibradores, o que mais me chamou atenção no bullet lilit não foi só o vibrador em si, mas o propósito e história da marca. Uma marca que foi criada para redescobrir a autonomia do prazer. Uma marca que investe em tecnologia e trabalha com a escuta de mulheres e pessoas com clitóris para entender como elas chegam lá. Uma marca inclusiva, com não só produtos excelentes, mas com o propósito de educar e quebrar tabus sobre a sexualidade e desmistificar a intimidade. 

Aos 28 anos, entendi que o clitóris não era um botão “para fora”, mas sim um grande complexo com mil terminações nervosas internas e externas, entendi que vagina não era vulva, entendi a pluralidade e diversidade de gênero e orientação sexual. Tudo isso acompanhando o instagram da Lilit e vendo os conteúdos do Lilit Lab. Foi mais do que um motivo para comprar o vibrador: foi uma chamada para redescobrir meus prazeres e aprender novas técnicas na minha recém (re)descoberta vulva - que sempre tinha chamado de vagina.

O BULLET LILIT

A experiência da compra é incrível do começo ao fim: quando pedi o bullet, ele demorou pouco tempo para chegar na minha casa. Quando chegou, foi uma surpresa incrível: uma embalagem discreta escondia a ecobag com os dizeres “A Intimidade é Livre”, linda e funcional, e postais da campanha da marca com uma caixa com laço e lógico, o bullet dentro de um delicado saquinho de linho cru. Pode parecer pouca coisa, mas foi um sorriso instantâneo no meu dia. 

O bullet em si é tudo o que está na descrição da página: pequeno, potente, recarregável. O que mais me chamou atenção na primeira vista e primeiro toque foi o bom gosto e qualidade dos materiais: em um pantone vinho da própria marca, o bullet tem um leve toque aveludado. A vibração é incrível na primeira ligada: você percebe nitidamente os cinco modos de vibração (BEM potentes). A duração dele é outro bônus: fica até 1h30 ligado sem descarregar.  

Eu não perdi muito tempo: fui no banheiro testar a prova d’água - o bullet pode ficar submerso até 30min em uma profundidade de 100cm. Acendi uma vela de ylang ylang (que dizem que é afrodisíaca), entrei no banho, fechei o box e comecei a me massagear: dos mamilos, passando pela barriga, até chegar na vulva. Ao contrário do que geralmente faço - me masturbar o mais rápido possível para chegar logo ao orgasmo - tomei meu tempo. Fui aos poucos, testando as intensidades, passando por toda área externa da minha vulva, evitando contato direto com o clitóris. 

Conforme minha excitação aumentava, fui aumentando a intensidade da vibração. Sem tocar na glande do clitóris, cheguei ao meu primeiro orgasmo - para minha surpresa. Resolvi continuar, agora estimulando diretamente a parte externa clitoriana. Não deu 2 min, veio o segundo orgasmo. A essa altura, já estava sentada no box do banheiro - com a cara vermelha, contente e surpresa. Resolvi testar meus limites: mesmo exausta, continuei. Veio uma vontade de fazer xixi engraçada, e de repente, vejo um líquido transparente sair de mim e escorrer entre minhas pernas. Fiquei chocada. Só tinha ejaculado uma vez na minha vida, e a sensação de poder fazer isso de novo foi maravilhosa. Saí do banho exatos 26 minutos depois, exausta, contente e feliz de ter tido aquela experiência - no meu terceiro orgasmo, já estava quase cantando um mantra que aprendi na yoga.

Desde essa experiência, comecei a usar o vibrador com meu marido, durante o sexo a dois: ele sempre é aquela adição amiga para aumentar o estado excitatório. Nessa quarentena, é quase clichê falar que alguns casais estão transando mais, mas foi exatamente o que aconteceu: desde que adquiri o bullet, meu marido e eu temos explorado minha vulva e descoberto cantos antes negligenciados - por pura ignorância. A intimidade entre o casal aumentou, e o mais importante, a intimidade comigo mesma: não me masturbo mais correndo para chegar logo na linha de chegada. Tomo meu tempo, me respeito, escuto meu corpo. 

...

Somos Lilit. Uma das primeiras marcas brasileiras a desenvolver seus próprios vibradores como devem ser: criados por quem usa.

Conheça o Bullet Lilit, seu (novo) primeiro vibrador.

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima