Entre deuses, demônios e desobediências: o mito de Lilith

Antes de Eva, existiu outra mulher. Mas sua história foi excluída da narrativa bíblica. Contamos neste artigo o porquê

Deus criou o homem e a mulher à sua imagem e semelhança.” Talvez você se lembre dessa passagem bíblica. Ela está logo no início do livro Gênesis e é amplamente divulgada por aí. Mas o que acontece depois é um mistério. A mulher, criada à imagem e semelhança de deus, desaparece da narrativa. Eva só surge depois, no segundo capítulo, e é nomeada somente no terceiro. Mas quem é, então, essa mulher primária?

Segundo tradições hebraicas, pergaminhos babilônicos e até vestígios bíblicos, essa mulher tem nome: Lilith. Registros mais antigos que a bíblia — como as gravuras dos amuletos de Arslan Tash, que datam do século 7 a.C — tratam de deixar ainda mais evidente a teoria de que ela foi apagada da história.

E por que, afinal, Lilith foi excluída da narrativa?

Conta o Alfabeto de Ben-Sirá, um dos textos que fazem parte da coleção de escritos rabínicos chamado Talmud, que a primeira mulher a pisar a face da terra nasceu da poeira, tal qual Adão. Por não se sentir inferior, recusou-se a deitar sob ele na hora do sexo e, em protesto, abandonou o Éden. Os primeiros pés femininos a pisar a terra foram, portanto, os pés de uma mulher que se rebelou contra a superioridade masculina. Talvez por isso o judaísmo e o catolicismo tenham eliminado Lilith da história. Mas há, ainda, uma outra possibilidade: durante o tempo em que os hebreus estiveram exilados na Babilônia, nos séculos 7 e 6, babilônicos passaram a adorá-la, cultuando-a como a deusa da fertilidade. Motivados, então, por questões políticas, os hebreus, patriarcas da tradição judaico-cristã, retiram Lilith da história religiosa de criação da humanidade.

O QUE TEM A DIZER ÀS MULHERES A JORNADA MITOLÓGICA DE LILITH

Bruxólica, desobediente, serpentina, revoltada. A construção social em volta da primeira mulher de Adão nada mais é do que outras formas de chamá-la do que, de fato, sua figura emblemática evoca: a não submissão. Apesar de sua imagem mudar de cultura para cultura, frequentemente está associada a poderes malignos, mas se olharmos para trás, quando Lilith era cultuada na Mesopotâmia e comparada à lua negra, veremos que o medo que causa vem, justamente, por sua ligação com o mistério e com sua natureza selvagem e indomável.

De volta aos registros do controverso Alfabeto de Ben-Sirá, lendas por lá reunidas ainda contam que após abandonar Adão, Lilith teve relações sexuais e engravida de vários demônios. Para levá-la de volta ao Éden, Jeová envia seus anjos para convencê-la,  mas ela se recusa. Diante da negativa e para que Adão não fique sozinho, decide então dar vida à Eva. Dessa vez, Jeová opta por uma criação mais dócil e obediente: uma mulher que seja criada da costela do homem. Adão vê a nova mulher e diz: “Essa, sim, é osso dos meus ossos”. É aí que, decidida a mostrar a Eva a importância da liberdade, Lilith se transforma na serpente e se enrola na Árvore do Conhecimento. É ela, portanto, que seduz Eva para que coma o fruto proibido e cometa o “pecado original”. Foi sua insubordinação, livre sexualidade e sororidade que a transformaram, aos olhos das religiões patriarcais, em vilã.

E qualquer semelhança com a realidade atual não é mera coincidência. Se as histórias são criadas e contadas por vozes masculinas, não é de se espantar que as narrativas sejam calcadas em um machismo estrutural evidente. Mesmo sabendo que textos religiosos são de origem e veracidade incertas, há, também nessa narrativa, sinais de como fomos, ao longo da história, dominadas e caladas — ou pelo menos tentaram que fôssemos.

Dá medo a mulher que reivindica para si a autoria de seus próprios prazeres. Causa aflição ao sistema vigente a mulher que não performa a sexualidade como querem, mas sim como ela mesma deseja. É por isso que tentam amordaçar nossa liberdade. E é por isso, também, que tal qual acreditavam os povos antigos, continuamos a escutar o grito de uma coruja como sinal de que Lilith está por perto: porque seu canto simboliza e evoca o clamor de todas as mulheres por equidade.



EXPLORE TODO SEU POTENCIAL E GOZE QUANTAS VEZES VOCÊ QUISER:
CONHEÇA O BULLET LILIT, SEU (NOVO) PRIMEIRO VIBRADOR.

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima