Tantra: descubra o que é sexo e masturbação tântricos

tantra-o-que-e

 

“Muitas pessoas têm dificuldade de diminuir o ritmo e potencialmente não gozar. Você consegue curtir seu corpo sem um orgasmo? Como você realmente se sente ao se masturbar? Você tem dificuldade de dividir seu corpo com outra pessoa? É interessante entender onde temos dificuldade. Observe como você reage ao prazer e a gentileza. A sensação pode ser extraordinária”. 

Jo Murphy

 

Porque você se masturbaria se você não tivesse garantia de ter um orgasmo? O tantra promete te levar em uma jornada de autoconhecimento que não necessariamente deve acabar em um clímax. O orgasmo é a cereja no bolo de uma longa e deliciosa indulgência que se chama sexo tântrico. 

O que é Tantra?

Com base nas tradições esotéricas do budismo e do hinduísmo, o Tantra é um termo amplo que serve para descrever todos os tipos de práticas sexuais e espirituais - de yoga até sexo. A expressão “Tantra” é formada por duas palavras em sânscrito: “tan”, que traduz livremente como expansão, e “tra”, que significa ferramenta. Tantra é uma ferramenta de expansão: o que você vai expandir depende da prática que você escolhe. Pode ser meditação, sua capacidade de orgasmos ou a habilidade de otimizar o prazer

O que é sexo tântrico?

Essa prática antiga tem raízes em uma ultrapassada binária vertente relacionada ao êxtase sexual. “Historicamente, o caminho tradicional para o Tantra acontecia entre um homem e uma mulher” - conta Carolyn Cowan, terapeuta sexual e de relacionamentos. “Esse era um caminho de criar um fluxo de energia circular entre o homem e a mulher, e como resultado, eles tinham a habilidade de atingir um perfeito estado de união.”

Carolyn também é professora de Yoga Kundalini, outra filosofia milenar que nos conta que todos nós temos energias masculinas e femininas. Portanto, podemos criar essa energia circular - ou união - dentro de nós mesmas. O sexo tântrico pode ser praticado por duas pessoas ou sozinho, independente de gênero. 

O que é masturbação tântrica?

“É uma forma de auto prazer e de descobrimento lenta, que remove o orgasmo como objetivo final e transforma o clímax em um presente” - diz Carolyn - “É também um ato de autocuidado, especialmente para as mulheres - 30% de nós não conseguimos ter um orgasmo. É uma forma de se libertar. Nós merecermos acender velas, queimar um incenso e ter uma experiência sexual intensa com nós mesmas”.  

Devido o Tantra ter uma origem esotérica, Carolyn recomenda tratar o sexo tântrico como um ritual sagrado. “O pornô nos diz que podemos gozar em 30 segundos, o que frequentemente tentamos porque estamos ansiosas e queremos sentir algo além dessa ansiedade. E então tratamos o orgasmo como um impedimento, algo que queremos tirar do nosso caminho logo". 

Em contraste, a filosofia tântrica tenta frear essa velocidade: “É uma oportunidade de explorar o seu corpo e descobrir exatamente o que você tem tesão. Então seja gentil e curta criar um senso de conexão com você mesma”. 

Como praticar?

Comece pela sua cabeça e vá viajando até os seus pés: “O objetivo é criar um fluxo de energia para baixo. Nós ficamos presas em nossos pensamentos devido ao excesso de mídias sociais e notícias. Começamos a ficar em um estado angustiado sobre coisas que não temos o menor controle. Não é nenhuma surpresa que nós nos sintamos forçadas a ter um orgasmo a cada mínima oportunidade.” - afirma a especialista.  

A masturbação tântrica te âncora para a realidade, te traz de volta para você mesma. “Você tira a energia da sua cabeça, movendo para baixo para descobrir todo o seu corpo e consegue alcançar um incrível estado de excitação. Comece muito devagar, explorando o seu corpo centímetro por centímetro. Mexer nos seus seios, na parte interna das coxas e no períneo pode te dar muito prazer. Use óleos ou lubrificantes e molhe seus dedos com saliva enquanto você massageia sua vulva”.  

O quanto dura?

Dura o quanto tempo você aguentar sem tocar direto na sua genitália. Conhecer cada parte do seu corpo no caminho, da cabeça aos pés, como um ritual. “O seu mamilo esquerdo é ligado ao seu clitóris”- adiciona Carolyn - Imagine as surpresas que esperam por você - “Devemos pensar em nossa intimidade como um caminho de autodescoberta, uma viagem interna.”

Posso fazer com um parceiro?

Sim, você pode. “A necessidade de um orgasmo por ser uma maldição para alguns casais, mas o sexo tântrico tira toda pressão externa para ficar excitado como a necessidade de penetração e clímax instantâneo. Isso permite a energia descer gradualmente e potencializa a intimidade entre o casal”.

A masturbação tântrica também pode ajudar quem tem dificuldade de entrar no estado excitatório: “Um homem precisa, em média, de três minutos para chegar ao orgasmo. Uma mulher precisa de algo entre vinte e noventa minutos. E quase sempre, não existe uma atenção especial para nosso estado de excitação”. E é por isso que dar mais tempo para descobrir seu próprio prazer é mutualmente beneficial para uma relação. Se você já sabe exatamente o que você gosta, fica mais fácil e simples de comunicar suas descobertas com o outro. 

Você pode ainda ficar um tempo de abstinência. “Sem penetração, sem sexo oral. Simplesmente se toquem gentilmente, fazendo carinhos e conversando baixinho. Se desafiem a mostrar lados que vocês não conheciam”.  Você tem coragem de mostrar quem você é para você mesma nesse processo? “Imagine que você é tão única que quando você faz amor com você mesmo, você não está só se tocando - está tocando em uma imagem divina. Acredite que você é esse amor, esse poder.”. Amém!

Escrito por Jo Murphy. Tradução livre de artigo originalmente postado no Swell. Leia o artigo original.

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima