Sexo para mulheres: autodescoberta e libertação

sexo-para-mulheres-prazer

O sexo é muito mais do que apenas sexo: é uma experiência de autoconhecimento e descoberta de todo nosso potencial e instintos.

O sexo para nós, mulheres, deveria ser o ápice do nosso clímax. Afinal, temos o clitóris, um órgão inteiramente dedicado ao prazer. Infelizmente, um estudo realizado com universitários identificou que mais de 90% dos homens e apenas 39% das mulheres afirmavam sempre atingir o orgasmo durante relações. Um número muito significativo e estarrecedor.

Na mesma pesquisa, foi constatado que 32% das mulheres atingiam o orgasmo durante relações sexuais casuais, mas o número subia para 72% quando eram orgasmos em relações sexuais em relacionamentos duradouros. E a desigualdade fica mais profunda: em uma amostra nacional dos Estados unidos, 64% das mulheres e 91% dos homens afirmaram ter um orgasmo no seu encontro sexual mais recente

O problema da desigualdade do orgasmo está na mulher? Já descobrimos que não é isso. Ao se masturbar, 95% das mulheres atingem o orgasmo em minutos. No sexo lésbico e na masturbação, 99% das mulheres estimulam diretamente o clitóris. Isso explica porque relacionamentos lésbicos têm uma maior taxa de orgasmos. Como afirma a pesquisadora Peggy Orenstein, a desigualdade é fruto de um conjunto de fatores: a falta de informação da anatomia feminina, a educação através da pornografia e os arquétipos de mulher submissa e homem agressor - tudo leva a essa desigualdade. 

É muito mais do sexo

Tão natural como respirar, comer e dormir, o sexo é uma das nossas funções vitais que vão muito além da reprodução e do ato sexual em si. Faz parte do nosso bem estar, de descobrir a nossa essência: sexo para mulheres é entrar em contato com o nosso estado selvagem e instintivo. 

“Ela é a força da vida-morte-vida; é a incubadora. É a intuição, a vidência, é a que escuta com atenção e tem o coração leal. Ela estimula os humanos a continuarem a ser multilíngues: fluentes no linguajar dos sonhos, da paixão, da poesia. Ela sussurra em sonhos noturnos; ela deixa em seu rastro no terreno da alma da mulher um pelo grosseiro e pegadas lamacentas. Esses sinais enchem as mulheres de vontade de encontrá-la, libertá-la e amá-la. (...) Ela ficou perdida e esquecida por muito, muito tempo. Ela é a fonte, a luz, a noite, a treva e o amanhecer. Os pássaros que nos contam segredos pertencem a ela. Ela é a voz que diz: ‘Por aqui, por aqui’.”

(Pinkola Estés, 1994, p. 27).

O nosso bem estar sexual é diretamente ligado com nosso encontro com o nosso estado latente, selvagem. Entender o nosso potencial orgástico é se autodescobrir e compreender o poder dos nossos ciclos, da nossa fecundidade e a nível mais profundo, entender nossa capacidade erótica

O sexo para mulheres é uma questão de resistência, de procurar nossos instintos suprimidos e apagados por uma sociedade misógina que tentou nos diminuir através de uma cultura machista e pornôcentrica as nossas vulvas e a nossa capacidade múltipla de prazer do clitóris.  

Em um estudo de 2014, pesquisadores descobriram que mulheres que se masturbavam e faziam sexo casual tinham uma probabilidade maior de estar mais envolvidas com seu bem estar e ter uma auto estima boa. Outra pesquisa conta que mulheres millenials com auto estima alta relataram ter um sexo mais satisfatório. Essas mulheres falaram que a frequência de orgasmo aumentava porque havia mais comunicação e exploração durante o sexo. 

Preliminares não existem

Precisamos desmistificar a ideia das preliminares. Uma rápida pesquisa no google, encontramos artigos como “Acerte nas preliminares” ou “10 ideias de preliminares”. E quanto mais paramos para pensar nessa categoria de preliminares, mais entendemos o quanto o sexo foi moldado para ser uma receita de bolo, com roteiro pronto vindo direto da indústria pornográfica

Beijar, sexo oral, carinhos, masturbação mútua ou sozinha - tudo é sexo. As preliminares não existem: a partir do momento que começamos uma troca mútua ou solo em busca do prazer, estamos praticando o ato sexual. A nossa cultura falocêntrica tem tendência a dizer que o sexo é o ato da penetração, do pênis dentro do canal vaginal. E isso é um mito (dos mais grosseiros possíveis)

Essa denominação exclui os casais LGBTQI+, por exemplo. Como os casais não heterossexuais fazem ao transar? Um casal de lésbicas não está transando? Estão somente nas “preliminares”? 

A penetração é uma opção, independente do gênero e do sexo. Transar com  penetração, independente que seja com um pênis, um vibrador ou um dildo, é uma escolha pessoal e que varia de corpo para corpo - e da nossa preferência sexual. 

Nosso prazer é único e intransferível e nunca deve seguir um roteiro, um script imposto.

 

REFERÊNCIAS

The incidental orgasm: the presence of clitoral knowledge and the absence of orgasm for women - Lisa D Wade, Emily C Kremer, Jessica Brown

National Survey of Sexual Health and Behavior - Indiana University

The Hite Report: A National Study of Female Sexuality - Shere Hite

When Did Porn Become Sex Ed? - Peggy Orenstein

Who Benefits From Casual Sex? The Moderating Role of Sociosexuality - Zhana Vrangalova, Anthony D. Ong

The Association Between Developmental Assets and Sexual Enjoyment among Emerging Adults in the United States - Adena M Galinsky e Freya L Sonenstein

...

Sexo é uma dança intuitiva, exploratória e de improvisação. 
Como você dança para descobrir todo o potencial de prazer?
Conheça o Bullet Lilit e traga uma (nova) experiência para sua cama.                                                                        
O clássico vibrador de clitóris, em uma versão aperfeiçoada. 

 

Deixe o seu comentário

Todos os comentários são revisados antes da publicação.

Comprar

O QUE ELAS DIZEM SOBRE O BULLET LILIT?

Entrega super rápida, embalagem cuidadosamente produzida, um cheirinho delicioso e um produto surpreende, já tive outros vibradores, mas nenhum com esse cuidado no acabamento, uma textura delicada, simplesmente PERFEITO! Já sou fã de carteirinha, até comprei um para minha melhor amiga.

Avaliação Anônima